​PREOCUPAÇÃO GANANCIOSA COM OS BENS MATERIAIS -LUCAS 12,13 -21

0

PREOCUPAÇÃO GANANCIOSA COM OS BENS MATERIAIS

Alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: “Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”. Jesus respondeu: “Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?” E disse-lhes: “Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”. E contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita. Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. Então resolveu: ‘Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!’ Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’ Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”.

xxxxxxxxxxx

Esta passagem da vida de Jesus, que Lucas registrou no seu Evangelho, é de um impressionante realismo, e é suficiente por si só, isto é, a sua simples leitura já nos diz tudo, sem precisarmos parar para meditar e interpretar, muito menos para pedir explicação. Realmente, basta ler para se compreender a indiscutível verdade do que nela está dito. Por isso, nada mais precisaria ser dito neste comentário, mas apenas sugeriruma nova leitura, com atenção às palavras de Jesus, tão fielmente reproduzidas por Lucas.

 

Mas, até por amor ao Evangelho e ao Cristo, podemos observar como aquilo que Jesus falou a uma pessoa desconhecida – alguém, do meio da multidão” – diz respeito a um fato que se repete constantemente, fato que já ocorria naquele tempo e continua a existir dois mil anos depois!

 

São as brigas motivadas pela ganância quanto às riquezas materiais, que surgem a propósito de inúmeras situações, como disputas entre sócios, avanços sobre a equidade dos contratos, injustiças no pagamento de salários etc. Outra situação corriqueira é a de desentendimentos entre irmãos sobre as heranças deixadas por seus pais, algumas delas de montantes modestos, mas que mesmo assim geram disputas para ficar com este ou com aquele objeto ou com um quinhão maior do que o correto.

 

Ganância é isto, muito diferente de querer ter os bens necessários para a vida e que justamente se adquire. Foi a ganância de alguém que levou Jesus a advertir aquele que queria sua intervenção para a divisão da sua herança, e o texto de Lucas nem nos diz se essa pessoa era homem ou mulher, ou se queria mais do que lhe cabia, pois apenas sabemos que alguém do meio da multidão o interpelou pedinLdo: “Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”.

 

Se recordarmos o Evangelho do último domingo, vamos lembrar do ensinamento de Jesus sobre o que se deve pedir a Deus, e hoje vemos a mesma coisa,

isto é, não se deve pedir a Ele para intervir nas disputas terrenas, mas o que nos é necessário para levarmos a vida adiante e para a nossa salvação.

 

Entretanto, hoje Jesus vai mais longe, fazendo-nos ver a futilidade de querermos mais e mais coisas deste mundo, em detrimento da justiça de caráter que conduz a comportamentos condizentes com o que é certo e com a salvação eterna.

 

E, neste sentido, Jesus foi ao extremo de fazer-nos lembrar que tudo o que amealharmos em riquezas materiais será deixado aqui mesmo quando terminarmos esta vida passageira, em nada servindo na vida futura da nossa alma imortal.

 

Na realidade, infelizmente, todas essas riquezas poderão ser a origem da separação dos nossos filhos, se eles não tiverem o desprendimento com que os verdadeiros cristãos devem agir perante as coisas mundanas.

 

Na parábola que o Mestre contou, um homem rico pensou em ficar mais rico e ficou em dúvida sobre o que faria com sua fortuna ainda maior, raciocinando assim: Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!’

 

Todavia, a esse modo de pensar, o humilde homem Jesus contrapôs: Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’ Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”. O contrário deste, como bem sabemos porque Jesus nos ensinou, é aquele que junta seus tesouros no céu (Mc 10,17-30).

“Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”, advertência de Jesus!

 

Por Dr. Ricardo Mariz de Oliveira

Categories: Evangelho Semanal

admin

Faça um comentário

Social Share Buttons and Icons powered by Ultimatelysocial
Bonuses
%d blogueiros gostam disto: